Na rede


1 – Os últimos spams que tenho recebido sobre as eleições 2008 tem me poupado viagens até as paredes da Justiça Eleitoral. É que a coligação de Barbosa Neto (PDT) envia suas vitórias e derrotas dos adversários por trás dos bastidores. Apesar que, se você olhar bem as paredes da justiça eleitoral, verá que nos bastidores acontece um tiroteio na escuridão. É candidato atirando em tudo quando é lado. Não é por menos que quando vencem (ufa!), fazem spam.

2 – Recebi também dias atrás uma corrente eleitoral que rola na internet (aquele email que alguém que você não conhece te mandou, com mais umas 100 pessoas participando?). Desta vez não era pra falar mal, mas sim para que quem recebesse, inserisse o nome do candidato em que vai votar, sempre lembrando que este seja um cara limpo, sem ficha suja e de confiança (dos 410 vereadores, eu acho que devem ter uns 15 citados, no máximo). É a internet desutilizando a inutilidade.

3 – O Fábio Silveira, que está chegando a sua primeira semana de vida blogueira, publicou que um jornalista (que foi seu aluno) também criou apócrifos contra Barbosa Neto (PDT). O Jornal se chamava “SOS CIDADES” e foi apreendido por um oficial de justiça. O material reproduzia matérias do JL e Gazeta do Povo. Conta Silveira que até o postagens do seu Blog foram usadas, com um porém: Esqueceu de citar a fonte.

4 – Sobre os apócrifos: Se eu fotografar o jornal que ganhei (aquele cópia do Correio) e reproduzir no blog, dá problema? Não que eu queira fazer isso, mas é só pra eu saber mesmo.

5 – Ó, tem curso técnico de jornalismo que, além de ser assistido por pessoas anos-luz de distância das redações de hoje em dia (principalmente as locais), tem uma visão arcaica de jornal. Entendeu? digo aqueles em que o chefe do jornal redigita tudo e ofende a sua mãe enquanto finge ler algo… quem sabe acontecem até uns choques nos testículos dos moços e pau-de-arara para as moças. É a Síndrome do Censor sendo cultivada no aluno. “Isso não pode; isso não dá”. “Engula (sem aguá, no seco mesmo) o tal mercado saturado e o meu pseudodiscursoempresarial“.

Em outros casos, o Censor faz questão de aflorar no projeto de animal (chamam jornalista recem- formado de foca, não é?) a Síndrome do Oprimido, como apelidou muito bem o Frazão. Nessa Síndrome o aluno é transmutado em um pedestal assistencialista, sem capacidade de transformação e reflexão alguma.

6 – Mas relaxe e não se irrite com o pequeno desabafo acima. Como disse certa vez a  Neusa Maria Amaral – que eu acredito ser formada em jornalismo – num evento em que se discutiam a atitude da mídia no Caso Isabella: “Ruim com a imprensa? Pior sem ela”

Fiquei noites e noites sem dormir…
e lembrar disso agora me fez perder o sono.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em candidatos locais, Eleições 2008, jornalismo, Londrina, política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s