Arquivo da categoria: Manipulações

Sobre o apoio do PTdoB ao Barbosa

“Ora, mas não consigo entender…
Tem boca de sucuri nessa história, gente”

Confira o video (bem lembrado no Paçoca) do PTdoB versus Barbosa Neto:


Anúncios

2 Comentários

Arquivado em blog, Eleições 2008, Internet, Londrina, Manipulações, Paraná, política

Atualização

Apenas atualizando (e corrigindo) um post antigo:

barbosaneto

1 comentário

Arquivado em Belinati, candidatos locais, Eleições 2008, Internet, Londrina, Manipulações, Paraná, política

Um projeto de lei para legitimar a lei não-legitimada

Já usei esse título em outra postagem, para falar do mesmo assunto. Como sou leitor diário dos blogs da cidade, vi que alguns divulgaram em postagens que descobriram que tem vereador querendo dar cartão de ônibus para presidente de associação de moradores. É óbvio que as postagens deste ano e até comentários que ouvi ano passado não louvavam o projeto.

Porém, vou voltar a lembrar de algo (já havia dito isso em email ao Délio Cesar, quando fez a mesma coisa) : Isso de dar passe não é tão original.
Ao ler o projeto o que se pode notar é que a lei já existe, só que em forma de passes. Na TCGL nunca ouviram falar dela; CMTU idem. A justificativa do projeto é exatamente essa: Obrigar a distribuição das passagens, que é lei.

Portanto, a lei nº 5.428,  de 21 de junho de 1993, diz que o presidente de associação/favela/comunidade tem o direito a trinta passes mensais. A idéia dos vereadores ao puxar esse assunto, é, na justificativa, revogar a lei para adapta-la ao novo sistema – e de tabela, coloca-la em funcionamento.

É claro que não sou inocente a tal ponto de achar tudo um mar de rosas, sei da luta do passe-livre e dos absurdos praticados pelas empresas de transporte coletivo.
Mas os vereadores acharam um gancho para beneficiar os presidentes de bairro, e, é fato, o gancho existe.

Às vezes é só um projeto de lei eleitoreiro: Mas a lei permite… e o gancho existe.

Acredito que as questões deveriam tomar um outro rumo: Quando as empresas assinaram um contrato de 33 anos com o município, na gestão passada, elas não estavam cientes das leis da cidade? Não são obrigadas a cumpri-las?

1 comentário

Arquivado em blog, Câmara de Londrina, Grande Londrina, Londrina, Manipulações, passe-livre, política, TCGL

Rodrigo Gouvea: Duplicidade pensada ou cola?

O vereador Rodrigo Gouvea não perdeu tempo na Câmara. Tentou emplacar uma lei revogando uma lei, que, alias, outro já tentou revoga-la – sem sucesso.

Para quem não está entendendo nada, apenas leia:

O projeto de lei nº48/2008 –  de Roberto Fú

O projeto de lei nº24/2009 – de Rodrigo Gouvea

Entendeu? Os textos de épocas diferentes são idênticos.
O de Roberto Fú – depois de ser contrariado e retirado de pauta por tempo indeterminado – foi arquivado no dia 21 de janeiro.

Aproveitando a onda, a nova Comissão de Justiça apenas usou o parecer contrário da antiga Comissão para o novo projeto de lei.

É um tal de “Eu te cito, tu me citas”.

Deixe um comentário

Arquivado em Câmara de Londrina, Grande Londrina, Londrina, Manipulações, Paraná, passe-livre, TCGL

As Empresas de Transporte Coletivo em Londrina querem mais e mais

Agora é a vez da Francovig querer o aumento. Como se fosse possivel as duas empresas de transporte utilizarem tarifas diferentes. Oras, é o mesmo terminal, mesmo uniforme, mesmo site e até os problemas são idênticos. Quem utiliza do transporte público sabe o sacrifício que é ir e vir em Londrina.

Motoristas estressados por terem que fazer coisas que a quantidade de membros os impossibilitam de fazer: Como cobrar do passageiro, vigiar a catraca, olhar se a idosa entrou, o muleque que saiu e ainda dirigir? Como fazer tudo isso com o celular tocando no bolso ou, ainda, parando para comprar uma lata de coca-cola no mercadinho?

Meses atrás, após sair de uma sessão da Câmara, eu entrei no ônibus 601 (Acapulco). O onibus estava com a lotação muito além da maxima permitida, tanto que, para eu poder ir até o terminal, tive que sentar em cima daquele motor fervendo, junto com outras pessoas na mesma situação – as costas encostavam no parabrisa. Era impossivel o motorista olhar no retrovisor direito do veículo e a cada ponto havia mais pessoas querendo ir embora. Compreensivel, a gente dava um jeito; encolhia mais e o cobrador soltava um grito pro povo do fundo apertar. Pelo calor absurdo, alguém, em uma outra viagem, não resistiu e acabou vomitando. O cheiro era horrível e o lugar que eu estava, de costas para o sol, não batia vento algum. O motorista continuou abrindo a porta da frente, meus pés nem estavam mais no chão – tive que deixa-los suspensos para dar mais espaço. As pessoas se “encaixavam” dentro do coletivo. literalmente, estavam encaixadas.

Certa vez entrou um bêbado no onibus 501 (Vivi Xavier), quando o motorista parou num ponto da Av. Rio Branco. Pleno sábado, ônibus cheio e o bêbado chega anunciando:
– Que sacanagem, hein, seo motorista? Dois ônibus 501 já passaram e não abriram a porta pra mim.
O motorista, com o ônibus parado, nem olha para cara do sujeito e nem o responde. O bêbado retorna:
– Depois vou reclamar, que absurdo esses seus colegas.
Eis que o motorista corta o papo com um grito:
– Cala boca, filho-da-puta, e vai logo pro fundo.

O bêbado, que não é bobo, foi realmente para roleta. A desconfiança em cima do bêbado deve ter um motivo, às vezes por eles entrarem no coletivo, ficarem de papo, reclamando e acabar ganhando viagem gratis. Mas a reclamação do bêbado (que dê cara virou um bêbado filho-da-puta) tinha certa explicação: Os outros ônibus que passaram eram realmente da mesma linha, porém, um “Rápido” e o outro “Expresso”, linhas que não param naquele ponto.
Já na roleta, o bêbado puxa papo com o cobrador:
– Motorista nervosinho, hein?
– É… melhor tu nem mexer com ele.
– Quem deveria ta nervoso é o Sr, que logo vai perder o emprego para ele. Olhe lá, a caixinha perto dele. Logo você estará na rua e ele fazendo o seu trabalho. Sabia que os deputados vão aumentar o salário para 24 paus? E você tá perdendo o emprego pare ele alí, ó. Tem que fazer alguma coisa.
O cobrador não gostou, jogou cara feia, mandou ele pagar e passar a roleta logo. Enquanto procurava a passegem pelos bolsos, o bêbado começa a contar que a filha ta no hospital e ele está com medo de perde-la. O cobrador fez cara de “tô-nem-aí” e mandou ele dar logo a passagem. O bêbado gritou com ele dizendo que estava puxando papo e sobre a filha. Quando encontrou o dinheiro, bateu ele na caixinha do cobrador, fazendo umas moedas até saltarem. Era o sinal que o funcionário esperava para dar um jeito no bebado.
Ainda da cadeira, o cobrador deu alguns socos no bebado e, enquanto descia, ia torcendo o braço do homem sobre um dos ferros de apoio. Pela bebida ele não sentia dor alguma e o cobrador, baixinho e gordinho, ficava cada vez mais nervoso torcendo o braço do cidadão. O motorista parou o ônibus na frente do autodromo – virou-se para assistir. As crianças começaram a chorar. As pessoas ficam com medo. E o gordinho lá, torcendo o braço do bebado com toda a sua força. Eles desistem, o bebâdo senta ao chão e pede pra menininha parar de chorar.
Chegando no Terminal do Vivi, os motoristas foram rir e contar a história para o fiscal. O bebado foi atrás dizendo para o cobrador que “foi muito injusto o que ele fez” e pede seu nome. O cobrador se recusa a passar.
O bêbado busca então informação com o fiscal que logo desdenha, “ah, continua pedindo, quem sabe ele fala”. O Sr. ainda insiste, vendo a negativa, disse que era melhor então reclamar dos dois: O cobrador que bateu nele e o fiscal que não quer atende-lo. Péssima opção, ao tentar olhar o nome do fiscal em seu crachá, o bêbado leva um tapa na cara do próprio e cai no chão.
Por fim, ao entrar no ônibus que o levaria para casa, no Residencial do Café, o homem que chegou bêbado no onibus, apanhou verbalmente do motorista e fisicamente do cobrador e fiscal, ainda recebe a presença da polícia: uma viatura havia sido chamada ainda no autodromo, quando deu a primeira confusão. O bêbado, sentado quieto em seu ônibus, ao ouvir os policiais o chamando, suspirou e disse que só queria ir para casa, que é um trabalhador e bebeu para parar de pensar na filha doente.
Mas os políciais já o levavam pelo braço até a viatura.

Dias atrás, no ônibus do 311 (Santa Rita), o motorista parou o carro no meio do trajeto e entrou no mercado para comprar coca-cola. A atitude se deve ao baixo numeros de passageiros ao finais-de-semana, principalmente às 4 da tarde –  que deixa tudo muito tranquilo.

Já hoje, também no 311, o motorista atrasado tinha que ir rapido demais, freiava constantemente e parava praticamente no meio da rua para o usuário entrar no coletivo. Em alguns pontos, ficaram alguns idosos para atrás: Não dava tempo de chegar perto do ônibus.

A linha que cobria o Residencial do Café era quase cômica: De dia, ônibus de tamanho normal para atender um numero nulo de passageiros e, à noite, 23 hrs, quando todos voltam dos estudos e do trabalho (como shoppings), eram obrigados a se organizarem num ônibus micro (aquele bem pequeno). Era necessário lotar os passageiros na minúscula parte da frente do coletivo, que saia arrastado, quase pegando no chão.

Esses são alguns dos problemas diários que fazem parte da paisagem do transporte e da rotina de cada um que utiliza o meio diariamente.

Mas as empresas querem sempre mais…
produzindo menos.

6 Comentários

Arquivado em Grande Londrina, Londrina, Manipulações, Paraná, passe-livre, TCGL

Perguntinha chata sobre a Sercomtel?

Além do óbvio no cargo chamado “conselheiro” da Sercomtel, que se reune uma vez por mês por quase R$3 mil reais, fica uma pulga atrás da orelha:

Por que não usam os dados oficiais pra qualquer tipo de conselho?

A empresa possui call-center. Lá eles registram todos os tipos de ocorrência vinda do usuário: Desde cabo de modem torcido até autorização para subir em pé-de-goiaba em propriedades da Sercomtel. O Servico é 24 horas, 7 dias por semana e o ano todo, não uma vez ao mês. Se alguém ligar às 4 da manhã pedindo pra registrar que o cliente está infeliz com a direção e o marketing da empresa, vai ser anotado e até protocolado.

Ah, e a remuneração desse povo? Oras, é a de call-center. Longe de ser (quase) 3 mil reais.

6 Comentários

Arquivado em Internet, Londrina, Manipulações, Paraná, política, protesto, Sercomtel

Não deu…

Ele bem que tentou, mas…

Justiça afasta Sidney de Souza do cargo de suplente na Câmara

Deixe um comentário

Arquivado em candidatos locais, caso bonilha, Eleições 2008, legislativo municipal, Londrina, Manipulações, política